Loading

Expoente na cultura hip-hop no AM, rapper manauara Victor Xamã prepara novo disco

Fale com o PMP: redacao@portaldomovimentopopular.com.br

(Foto: Divulgação)

Manaus/AM- Poeta das ruas, rimador intenso, Victor Garcia, de 22 anos, é um Xamã dos tempos modernos na cultura hip-hop do Norte. Após lançar o primeiro disco, em 2015, o elogiado “Janela”, o artista dá continuidade ao trabalho autoral. Intitulado “Verde Esmeralda, Cinza Granito”, o segundo álbum deve ser lançado já no próximo mês.

 

O álbum, que já está em processo de finalização no estúdio Direct AM, contará com cerca de 13 músicas, todas compostas por Victor, e algumas com participações especiais e produção de amigos e convidados. Sobre o título, o músico explica que ele reflete as dicotomias presentes nas letras que escreveu.

“O álbum tem um tema que reflete a mistura da calma verde da floresta com o caos cinza da cidade. São elementos que influenciam a minha personalidade e o meu trabalho. Aqui temos a fauna, a flora, a cultura forte, ao mesmo tempo que temos o trânsito caótico e os prédios brotando por todos os lados. Na minha criação musical para este disco, pretendi explorar isso, indo da tranquilidade para o caos e vice-versa”, disse ele.

Ouvinte de sonoridades diversas – citando Tim Maia, João Bosco, Black Alien e Subsolo como algumas referências – Victor Xamã é um amante do rap desde que se entende por gente. O músico, que começou a ouvir o estilo aos 12 anos e a escrever suas primeiras rimas aos 14, conta que escuta de tudo um pouco, algo que ele acredita fazer a diferença na construção do seu som.

“Eu acho a expressão do rap muito rica. Dá para explorar outros estilos com o rap. Apesar de escutar de tudo, principalmente no que diz respeito à música negra, sempre me identifiquei com o rap por conta do meu estilo de escrita. Pra mim, o rap é mais do que a junção de vários estilos musicais em um só, ele salva vidas, traz novas ideias e assuntos a serem debatidos”, afirma o artista.

Victor iniciou sua carreira com o grupo P8Crew, em 2012, com o qual lançou um disco, o ‘Oito Sinais’. De lá para cá, o grupo mudou de nome, amadureceu as ideias, cresceu e se tornou o Qua$imorto. Levando em paralelo a carreira solo com a de seu grupo, o rapper adianta que fará um show com o repertório novo, no dia 16 de dezembro, no The Clinic Bar, localizado na Rua Huascar de Figueiredo, Centro. “A ideia é comemorar este novo ciclo que começa e preparar a galera para o que vem por aí”, conclui ele.

 

 

Acrítica / Redação PMP 

Categorias: Cultura, Destaque

Palavras-chave: , ,