Loading

Artigo:”A importância da propaganda revolucionária no combate ao facismo” – Por Sophia Almeida e Natan Soares

Fale com o PMP: redacao@portaldomovimentopopular.com.br

Foto divulgação
Eu demorei muito tempo pra entender que quando eu compartilho coisas contra o Bolsonaro nas redes sociais, eu acabo dando um certo ibope e fazendo com que seus eleitores, que são adeptos ao discurso de ódio a esquerda, ódio a setores mais progressistas da sociedade e setores que emergiram em governos populares, ou pessoas que simplesmente estão cansadas da política, vejam mais atrocidades e se identifiquem com todo esse show midiático que o “pré candidato” faz. Mesmo, que sem justificativas palpáveis, defendam um cara conservador, racista, fascista, homofóbico e machista.
É claro que o discurso que Bolsonaro pratica às minorias deve ser combatido e denunciado. Mas, precisamos entender que é exatamente com esse discurso, que ele vem se tornando o “mito” dessa parcela da sociedade que por ignorância, ou oportunismo, canalizam o problema do país à esquerda. Meus caros, de nada adianta, a discussão não vale a pena. Não é justa. Eles nao estão preocupados se o Brasil vai avançar ou se a situação vai piorar, com um candidato que interfere nos direitos individuais e que nada conhece, sobre nada.. Não conseguiremos convencer que o candidato deles, não passa de uma farsa. O problema é luta de classes. Pura e simplesmente, luta de classes. Luta de classes, que fica mais evidente a cada dia desse governo ilegítimo.
Eu como jovem, não quero questionar a figura do Bolsonaro e seus seguidores apenas pelo discurso de ódio as minorias. Me sinto no direito de questionar sua candidatura, pela falta de preparo. Falta de argumentos sobre como tirar o Brasil da crise. Quero ouvir sobre o plano de desenvolvimento nacional, quero ouvir sobre economia, Medicina, ciência e tecnologia. Quero ouvir sobre inovação científica e quanto o investimento nesse setor, trará a longo prazo, de retorno para a economia brasileira. Quero saber  sobre produção no setor primário. Quero saber sua proposta de governo para nós, jovens cientistas. Quero propostas para os demais setores da sociedade. Quero propostas sólidas, palpáveis, claras e embasadas no que o nosso Brasil precisa.
Bolsonaro, ate agora só me parece um incompetente, contraditório. Se por um lado Jair Bolsonaro se diz defensor de uma sociedade de mercado, por outro na prática suas ações entram em conflito com o discurso. Ele historicamente é contra a privatização de estatais e se absteve de votar no ano passado na PL 4330, sobre a terceirização. Temas pacíficos entre quem anseia por mais liberdade econômica. Trata-se, de uma mente, ideologicamente confusa, ou ouso a dizer oportunista, que desconhece sobre o que fala, mas tenta surfar no que acha que vai colocar seu nome na mídia. Falando tudo, que seus eleitores, gostam de ouvir. Não importando, se é  verdade ou não .
No tocante às liberdades individuais, apesar de defender abertamente a revogação do estatuto do armamento como política pública de segurança, não há registros de defesa a descriminalização das drogas, é abertamente contra a adoção de crianças por casais gays. Ambas pautas sólidas entre defensores da liberdade individual, por exemplo.. É por essa e outras contradições que ele vem sendo chamado de mito. ( Graças a Deus, mito é uma coisa que não existe). Porque não existe a possibilidade de passar 25 anos como parlamentar e não aprovar um projeto se quer.
Enquanto o cenário político de 2018 não se consolida, nós, que realmente estamos preocupados com o desenvolvimento do Brasil, com a soberania nacional, devemos nos propor a dialogar com a parcela da sociedade mais progressista, para tratar de grandes projetos pra retomada do desenvolvimento econômico, social e científico do Brasil, apostando na frente ampla!
Sophia Almeida : Estudante do 10° de Educação física, bacharelado em Treinamento Esportivo, UFAM.
Dirigente Estadual da UJS Am.
Natan Soares: Estudante do curso de Sistema da Informação, na Uninorte

Categorias: Artigos, Destaque, Sem categoria

Palavras-chave: ,